Novidades, TRATAMENTO
Apesar de ter mais de 2.000 produtos formulados registrados, o Brasil tem baixa disponibilidade de produtos para tratamento de sementes (ST) em algumas culturas e metas biológicas indesejadas. É o que aponta o estudo Abrasem (Associação Brasileira de Sementes e Mudas).

Não menos que 98% de sementes de milho híbridas e 70% de sementes de soja são tratados na agricultura brasileira. É o tratamento de sementes que permite o controle de objetivos biológicos nas fases iniciais do cultivo, uma vez que muitos patógenos permanecem no solo, como fusarium e esclerotinia.

A adoção do TS mais que dobrou em seis anos: o valor de mercado saltou de US $ 360 milhões em 2009 para US $ 870 milhões na safra 2014-15, mostrando forte crescimento e sua percepção de valor em agricultores, segundo dados da Abrasem. De acordo com o estudo, no entanto, o referido controle está "ameaçado pela baixa disponibilidade de produtos". 

Para tratar insetos em sementes de milho, algodão, trigo, amendoim e arroz, os produtos disponíveis pertencem ao mesmo modo de ação ", que aumenta fatalmente a pressão contínua da seleção de resistência a pragas e doenças", diz a pesquisa: Para muitas culturas com menor impacto econômico, a situação é ainda mais grave, com pouca ou nenhuma disponibilidade de produtos fitofarmacêuticos para esse tratamento. Fatos que dificultam ou impossibilitam a rotação de produtos fitofarmacêuticos e, consequentemente, o gerenciamento da resistência ".

Segundo dados oficiais, existem 82 produtos registrados para tratamento de sementes (incluindo PF à base de carbofurano): para cultivo de soja, 61; para milho, 52. Para feijão, algodão e trigo, respectivamente, 44, 42 e 39 produtos formulados são registrados para o TS. Para o cultivo de amendoim, 18 produtos; arroz irrigado, seis produtos; melão e melancia apenas um e para o mamão, por exemplo, sem produto.

 

"Diante do cenário frágil na disponibilidade de produtos fitofarmacêuticos para tratamento de sementes, tanto para culturas com alta representação econômica quanto para culturas com menor representatividade, são necessários ajustes para corrigir essa disfunção, dada a impossibilidade de praticar rotação. produtos e o manejo correto da resistência a pragas e doenças ", conclui o estudo Abrasem.

Em breve, o Portal Agrolink apresentará um novo relatório baseado neste estudo que identificará os "objetivos biológicos críticos" identificados pela Abrasem que devem ser priorizados devido à baixa disponibilidade de produtos para o tratamento de sementes, caso contrário comprometeria a agricultura brasileira.

0